<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36419265\x26blogName\x3dArq+Moderna+2005\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/\x26vt\x3d7485431128565000390', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Arq Moderna 2005
Blog da Turma 2005 de Arquitectura da Universidade Moderna de Setúbal

Somos os piorzinhos... sábado, julho 7 | By: ZReis |

Ao contrário do que acontece nalguns países, em Portugal, e à excepção de alguns cursos de algumas universidades, o ensino superior privado nunca se distinguiu pela sua qualidade. O tira-teimas foi feito pelo Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior (CNAVES) que identificou numerosas insuficiências concentradas sobretudo no ensino privado. Outro estudo deste organismo incidiu concretamente nos cursos de engenharia civil, e mais uma vez as universidades privadas aparecem no fundo da tabela da qualidade.
Nos últimos quatro anos, mais de duas dezenas de cursos superiores receberam do Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior (CNAVES) uma classificação «insuficiente» em diversos itens, escreve o Diário Económico. A maioria das notas negativas diz respeito a cursos das privadas, com a Universidade Moderna à cabeça, mas também há casos nas públicas (ver em baixo quadro 1)
Apesar de haver «reduzidas perspectivas de recuperação imediata», o Governo mantém esses cursos e argumenta que os relatórios não recomendam o encerramento dos cursos nem das instituições.
Entre as licenciaturas com má avaliação em 2003/2004 e 2004/2005, refere o Diário Económico, as da Moderna aparecem no topo: Em seis cursos dos diferentes pólos da instituição foram detectadas várias irregularidades, num total de 50 «insuficientes».
Por exemplo, a licenciatura de Direito da Moderna do Porto, entretanto adquirida pela Lusófona, é classificada com nota «insuficiente» em oito campos de avaliação e a de Sociologia do Porto e Beja, têm graves deficiências em 11 e 12 pontos, respectivamente.
A nível das universidades privadas a Internacional aparece como a segunda pior (com 30 insuficientes), de acordo com o CNAVES, seguida da Lusófona (12 insuficientes) e depois da Independente (11 insuficientes).
Quanto às instituições públicas, os dados divulgados pelo Diário Económico revelam que o Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) merece nota negativa em nove indicadores de dois dos seus cursos.
Mas o que significa uma nota insuficiente? Segundo o CNAVES, corresponde a «graves deficiências, algumas de natureza estrutural, com reduzidas perspectivas de recuperação imediata».
Outro estudo, publicado no Expresso, revela o ranking dos cursos de Engenharia Civil em Portugal. O «ranking» foi elaborado pela Comissão de Avaliação Externa dos Cursos de Engenharia Civil e de Minas, no âmbito do Conselho de Avaliação do Ensino Superior Universitário (CNAVES) e mostra que os cursos da Universidade Moderna e Independente são os dois piores classificados, ambos com nota negativa (ver abaixo o quadro 2).Apesar desta avaliação se referir ao ano-lectivo de 2001-2002 e aos cinco anos precedentes, é a mais recente e só não foi divulgada antes por divergências dentro do CNAVES, pois alguns membros entendem que não deve ser um organismo oficial a hierarquizar os cursos
O «ranking» mostra uma clara supremacia das universidades públicas, estando as quatro privadas estão no fundo da tabela.
Entre os 12 campos avaliados estão o ambiente na escola, a forma de selecção dos candidatos, objectivos e planos de estudos, processo de ensino-aprendizagem, regimes de frequência e avaliação, qualidade do corpo docente, instalações e equipamentos, ou integração dos licenciados no mercado de trabalho.
Do «ranking» resulta uma relação directa entre a nota de entrada dos alunos e a avaliação do curso. Por exemplo, a nota mínima na Moderna e na Independente (média ao longo de seis anos) é de 6 valores. No topo, estão Engenharia do Porto (14,87) e Técnico (14,95).
Quadro 1
Número de graves deficiências registadas nos cursos de diversas Universidades*:
Universidade
Estatuto
Número total de insuficientes
Moderna
Privada
50
Internacional
Privada
30
Lusófona
Privada
12
Independente
Privada
11
ISCSP
Pública
9
IS Miguel Torga
Privada
8
Autónoma
Privada
6
Lusíada
Privada
5
Nova de Lisboa
Pública
5
*Dados do CNAVES, publicados no Diário Económico em 24/04/2007. As deficiências referem-se a organização institucional, alunos, corpo docente, instalações, relações externas, gestão de qualidade, empregabilidade, sustentabilidade e investigação.

Quadro 2
Ranking dos cursos de Engenharia Civil*
Instituição
Média geral
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto
4,52
Instituto Superior Técnico
4,51
Força Aérea
4,23
Engenharia do território do Instituto Superior Técnico
4,20
Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
4,18
Academia Militar
4,11
Universidade de Coimbra
4,11
Universidade do Minho
3,90
Universidade da Beira Interior
3,83
Universidade de Aveiro
3,62
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
3,54
Universidade dos Açores
3,38
Universidade Fernando Pessoa
3,02
Universidade Lusófona
2,91
Universidade Independente
2,37
Universidade Moderna
2,19

Menor que 2,5: Insatisfatório 2,5 a 3,25: satisfatório 3,25 a 4: muito satisfatório Maior que 4: excelente
Expresso (02-05-2007)

Viagem ao Douro terça-feira, junho 5 | By: Sspencer |

Paisagem da Quinta do Cotto

A capela da Barragem do Picote...fantástica!





Sentido descendente... domingo, junho 3 | By: ZReis |

Para aqueles que afirmam que só sei dizer mal, eu confesso que me está no sangue e que no que diz respeito à Moderna, até tenho a vida facilitada, infelizmente é impossivel dizer bem seja do que for...
Andava eu a navegar pela net, numa tentativa de procurar soluções para o meu futuro académico próximo, quando tropeço no Setubalarqblog, e revejo um documento que já tinha lido à tempos mas que me tinha dado uma outra impressão, o recurso dirigido ao conselho nacional de delegados da ordem dos arquitectos, para quem não se lembra, este recurso é do tempo dramático em que a acreditação pela ordem ainda era importante.
lembro-me perfeitamente dos discursos vitimizados que eram feitos a toda a hora culpando a comissão de avaliação de não ser imparcial e tal, de ter feito uma visita relâmpago e blá blá blá e não sei mais o quê... que me deram a perfeita conciência que se tratava de uma grande injustiça...

Ora pois bem, passados 2 anos e lendo o documento novamente será que era assim tão claro? estaria a comissão a "entalar a Moderna" sem fundamentos?
Lamento que apesar de já não ser necessária a acreditação da ordem, se tenha ignorado por completo todo este assunto, que quanto a mim ainda mereçe o devido acompanhamento, nem que seja pelo que foi refutado:
Alguns parâmetros que não foram aprovados ou aceites pela comissão:

1.1 DEFINIÇÃO DOS OBJECTIVOS DO CURSO - NÃO APROVAÇÃO

"...O nosso Curso tem vindo a aprofundar essa sua especificidade de ligação à cidade e ao território em que se insere, nomeadamente através da discussão que os trabalhos académicos têm proporcionado junto da população e das instituições: muitos dos exercícios incidem sobre situações concretas e são preparados em conjunto com essas instituições..."
Sem dúvida, o contributo do departamento de Arquitectura para a cidade têm sido enorme (ironia) e as discussões junto da população nem se fala...

"...Assim, o nosso Curso, em lugar de ser mais um num país onde já há tantos, é antes O Curso de um território alargado onde não existe mais nenhum..."
E que tal serem os alunos a escolher se querem ser Arquitectos ou Arquitectos Setubalenses?
Ainda sobre este parâmetro, quantos docentes conhecem a região de Setúbal?

1.2 EXISTÊNCIA DE ESTRATÉGIA DE CONSOLIDAÇÃO E DE DESEMVOLVIMENTO DO CURSO - NÃO APROVAÇÃO

"Os planos de consolidação do Curso passam pela implementação de um forte espírito de “escola” ao serviço da comunidade e da região, com parcerias com várias instituições locais."...
Humm!!! estaremos a falar da mesma escola?

1.3 ARTICULAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS DE PÓS-FORMAÇÃO DISCIPLINAR - NÃO ACEITABILIDADE

"...O Departamento de Arquitectura tem em preparação alguns desses cursos que, simultaneamente, poderão disponibilizar disciplinas opcionais ao Plano de Estudos do Curso de Arquitectura."
Eu não sei, mas provavelmente devem ser as famosas optativas que temos este ano, dar formação em PhotoShop sem ter pelo menos o devido Software ou então o caderno de viagens que foi tão bem planeado que foi completamente desprezado com a marcação de conferencias até ao fim do ano lectivo sobrepostas ao horário da cadeira... brilhante...

1.4 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO - NÃO ACEITABILIDADE

"Na nossa Escola existe apenas uma turma com uma média de 32 alunos inscritos por cada ano curricular, dos quais nem todos frequentam regularmente as aulas. Nestas condições consideramos mais do que suficiente um docente para cada disciplina teórica e dois docentes para cada uma das disciplinas de projecto."
Já lá vai o tempo em que havia tantos alunos... e 2 docentes a projecto é relativo visto que apenas se encontra um de cada vez fisicamente presente, o que vai dar ao mesmo, ou talvez não, quanto a mim, por vezes até se torna mais complicado agradar num dia da semana a um e noutro dia a outro... ha, e aqueles que não frequentam regularmente as aulas pagam as propinas como os outros... por isso acho uma desculpa no minimo mal pensada...

2.1 PROCURA DO CURSO

"O Curso mantém nos seus seis anos curriculares cerca de 200 estudantes. Tem-se também verificado uma manutenção da procura de inscrições por parte de novos alunos, tendência reconfirmada no ano lectivo que se iniciou há poucas semanas."

200? Quanto aos novos alunos, falo do presente, quantos alunos se inscreveram sem ser por meio do exame para maiores de 23 anos? 7? 8? quanto a este ponto gostava ainda de referir o meu agrado com o elevado aumento de alunos mais velhos e trabalhadores estudantes, a partir de agora será mais dificil ignorar quem alem de estudar também trabalha... e pode ser que assim, por exemplo quando houver uma entrega de projecto se emita a necessária justificação para se faltar ao trabalho. Este ano no final do semestre passado foi-me negada a entrega de um trabalho por não o ter entregue no prazo. Será que se tivesse faltado ao trabalho para fazer essa entrega o docente teria me dado a justificação para apresentar no emprego? isso só não acontece em provas oficiais?

2.4 PARTICIPAÇÃO DOS DOCENTES - NÃO COMFORMIDADE

"A totalidade dos docentes participa na gestão pedagógica e científica do Curso."

Se isto é verdade, então porque é que os outros docentes não sabem no que estamos a trabalhar a projecto? e temos de ser nós alunos a explicar. Qual foi a data da última reunião do conselho pedagógico? eu pergunto isto porque calculo que, apesar de ter as minhas dúvidas, haja realmente um conselho pedagógico, perguntei a um membro da anterior associação académica que teria estado presente na última, quando foi e incrivelmente nem ele se lembrava.

3.1 NÚMERO DE DOUTORES AFECTOS AO CURSO - NÃO ACEITABILIDADE

"O número de doutores ou equiparados através da sua competência profissional, de doutorandos que em breve defenderão as suas teses e de outros formandos é proporcional à dimensão da Escola. Esta conformidade foi recentemente constatada por inspecção efectuada pelo Ministério que nos tutela."

O que é um equiparado a doutor? bem, das duas uma, ou com este fundamento se tira o merecido valor a quem realmente já é Doutor ou então por esta ordem de ideias eu também sou mestre já que estou a tirar um tal de mestrado integrado... enfim...

4.4 4.5 DISPONIBILIDADE DE CENTROS DE DOCUMENTAÇÃO OU BIBLIOTECAS - QUALIDADE DE ACESSO À IMFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - NÃO ACEITABILIDADE

"Durante a visita às instalações da Universidade os membros da Comissão estiveram cerca de três minutos dentro da biblioteca. Nessa breve estadia não foram consultados os ficheiros disponíveis, apenas foi dado um rápido olhar pelas estantes..."
Muito honestamente acho 3 minutos tempo mais que suficiente para ver as 3 prateleiras que temos com livros de Arquitectura.

"...Em qualquer caso a insuficiência da Biblioteca (“sintoma gritante”, na pitoresca expressão da Comissão) não pode por si só condicionar a avaliação da qualidade de um curso, segundo as regras do Regulamento de Admissão da OA."

Claro que não!!! Afinal trata-se de um pormenor sem importância... coisa pouca...

2 Anos já se passaram após este recurso e o balanço além de ser ainda mais negativo mostra uma tremenda falta de capacidades tanto da direção como da cordenação para tentar melhorar seja o que for, e quando no inicio dizia que me tinha dado outra impressão, é precisamente por depois de 2 anos passados ter a certeza que seria mais incrivel esta escola nestas condições ter tido a tão desejada acreditação, clubes á parte, nem esta nem nenhuma escola com condições semelhantes mereçe ser acreditada pela ordem profissional dos Arquitectos.

Faço ainda um pequeno reparo á maneira como as últimas noticias foram tratadas pela direcção da istituição, instituição esta, que convocou reuniões no polo de lisboa mas que ignorou por completo os alunos em Setúbal, ficando assim (e com o aumento da propina em mais de 10% de 2500 para 2800€) provado o interesse que a direcção tem nos alunos do polo de Setúbal.
PS: Os comentários Anónimos serão apagados.

Ensino Superior "Moderno" sexta-feira, maio 25 | By: ZReis |


Crise na Universidade Moderna


24-Mai-2007

Professores que deixaram de dar aulas por falta de pagamento, estudantes a pedir transferência de Universidade, funcionários despedidos, ausência de computadores para trabalhar, um telhado que desabou e deixa entrar água. A crise que se instalou agora na Universidade Moderna, levou professores e alunos a reunirem-se hoje à tarde com responsáveis da cooperativa proprietária da instituição, a Dimensino.

Segundo declarações feitas à Agência Lusa por responsáveis da Moderna, a crise agudizou-se há pouco mais de um mês, o que terá levado à marcação de duas reuniões urgentes, para esclarecer dúvidas e debater o futuro da instituição: a primeira para professores (às 14:30) e a segunda para alunos (às 17:00), ambas com a presença de elementos da reitoria e da Dinensino (cooperativa proprietária da Moderna).

Muitos professores deixaram de dar aulas por não serem pagos e há casos de alunos que se recusam a pagar as propinas por recearem que as mesmas estejam a ser usadas para pagar dívidas e também porque não existem condições de trabalho e de segurança do próprio edifício do pólo de Lisboa, cujo telhado num dos corredores desabou e deixou entrar água.As mesmas fontes relataram à Lusa relatam ainda situações de funcionários despedidos e de serviços fechados, como é o caso do IAT (Instituto de Ensino e Investigação em Audiovisuais e Tecnologias da Comunicação) que está inexplicavelmente encerrado no horário de expediente.O realizador e coordenador da licenciatura em "Cinema, Televisão e Cinema Publicitário", António Pedro Vasconcelos, confirmou à Agência Lusa os problemas e a marcação das reuniões para hoje à tarde."A Moderna está a atravessar uma nova crise, com contornos muito complexos, que se reflecte nos cursos todos", afirmou, reconhecendo que os salários dos professores não estão a ser pagos, o que já levou alguns a deixarem simplesmente de ir dar aulas.Contudo, sublinhou que a maioria dos docentes "estão solidários e que apesar dos salários atrasados estão a leccionar normalmente, pois reconhecem que este é um problema que os ultrapassa e que tem a ver apenas com a Dinensino".António Pedro Vasconcelos reconheceu, porém, que "quando se perceber que não há condições mínimas, é preciso falar com os alunos e garantir que o investimento deles não foi em vão".

Esta nova crise na Universidade Moderna vem na sequência dos diversos escândalos em torno do Ensino Superior Privado em Portugal, e que no passado recente envolveram a Universidade Independente.
In esquerda.net

Uma Pequena Ajuda sexta-feira, maio 18 | By: Sspencer |

Bom, sei que andam a trabalhar imenso e os projectos estão a ficar muto muto bonitos...
Mesmo assim venho dar uma pequena ajuda, para quem anda mais atrapalhado, deixando aqui dois exemplos nos quais se podem inspirar.
Espero que agradeçam esta contribuição, embora alguns não precisassem deste empurrãzinho para chegar lá....
Dá para escolher:

Estilo contemporâneo



Estilo tradicional

Parado? quarta-feira, maio 16 | By: Sspencer |

É apenas a minha impressão, ou este blog anda um bocado morto?
O mais provável é que o trabalho seja tanto que nem dá tempo para pensar!



2 lembranças quarta-feira, maio 9 | By: Sspencer |

1. Aos que participaram na viagem: Não esquecer de entregar todo o material recolhido - fotos, desenhos digitalizados, textos críticos em versão word, etc. . Esse material deve estar já organizado, ou seja, seleccionado e guardado em pastas identificando os locais, datas e autores dos referidos documentos. Por favor entreguem amanhã 5ª feira, ou o mais tardar até à próxima 2ª feira.

2. A todos - A data de entrega do projecto ficou definida para 30 deste mês. É pois necessário que haja material "apresentável" antes dessa data, para apresentação ao vosso "cliente".

Bom trabalho