<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36419265\x26blogName\x3dArq+Moderna+2005\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/\x26vt\x3d7485431128565000390', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Arq Moderna 2005
Blog da Turma 2005 de Arquitectura da Universidade Moderna de Setúbal

Clube de Cinema de Setúbal - Programação de Maio segunda-feira, abril 30 | By: Nazgul |

Maio vai ser o mês de todos os pesadelos! É que o Clube de Cinema de Setubal vai dedicar o próximo mês ao cinema de terror, em todas as suas formas e feitios - dos grandes clássicos aos filmes de zombies, passando pelo gore e até o snuff - é o Maio Negro!!! muahahaha gargalhada maquiavélica].

Assim, em Maio, tanto pode ser visto o grande clássico de Stanley Kubrick, "Shining", como o divertido e sensacionalista filme de artes-marciais de série B, "Crippled Masters", com shaolins amputados a fazerem acrobacias brutais.

Além disso, vão aparecer vários convidados: no dia 25 é Filipe Melo que vem apresentar o seu filme, "I'll See You In My Dreams". Lembram-se? Foi o primeiro filme de zombies português, com a Sofia Aparício, o Manuel João Vieira e música dos Moonspell. Depois, no dia 26 é a vez de David Rebordão, autor de "A Curva", o filme portuguÊs mais visto de sempre do youtube, sobre fantasmas na estrada da Serra de Sintra. E por fim, no dia 11, é a vez do Maestro Nick Nicotine IV, frontman dos Act-Ups, apresentar "Die You Zombie Bastards!".

Aliás, "Die You Zombie Bastards!" vai ser uma estreia nacional. Será apenas exibido dia 11 e depois quem o quiser ver tem que encomendar o dvd. Ganhou vários prémios nos festivais lá fora e é um filme de zombies, com super-heróis e o Hasil Adkins, o primeiro one-mand band do mundo.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

À espera do autocarro! sábado, abril 28 | By: Sspencer |

Estou à espera do autocarro. Aos que não vão espero que seja por motivos "mais altos" tipo fim-de-semana num cruzeiro com o "sapinho" da ADSL...

...uma Capela! sexta-feira, abril 27 | By: Sspencer |

Pois, não resisti ao desafio e recuperei um trabalho do 5º ano, ano lectivo de 87/88.
Mais tarde vou ao fundo do Baú ver se encontro algum do 2º ano que não me envergonhe demasiado! ;-)

Proposta de Habitação - 2º Exercicio Projecto I 06/07 quarta-feira, abril 25 | By: Miguel Dores |


























O meu conceito tem como base os espaços funcionais da casa, ou seja, dividir a -.habitação em módulos que se adaptam ás funções que albergam. Ao todo a habitação divide-se em dois módulos principais e uma zona central exterior (espaço ajardinado).


A presença de janelas e aberturas (tanto horizontais, como verticais) é uma constante neste espaço. Quero deste modo tirar o máximo proveito da luz solar que a localização fornece e criar diferentes ambientes em cada módulo e mesmo em cada área específica.

Habitação unifamiliar - Fonte Nova (Alex Nunes) domingo, abril 22 | By: ZReis |




Habitação unifamiliar - Fonte Nova (José Reis) | By: ZReis |

Esta habitação tem como conceito principal a flexibilidade de espaços, e essa flexibilidade consegue-se com a colocação de paredes que se movem em mecanismos de carril, este mesmo mecanismo possibilita o posicionamento variado das paredes.

Esta habitação caracteriza-se pelo pequeno espaço ocupado por equipamentos, que é de apenas 2.0m, onde se incluem também as escadas e zona de entrada. Desta forma, como a zona usada foi de apenas 2.0m, contrariou-se assim, a dificuldade da área de construção ter apenas 6.0m de largura, dando outro ambiente ao espaço que se tornou mais livre.

Como não queria "partir" a habitação em dois para fazer uma zona de exterior no meio, optei por inserir luz naturar, por um jardim de inverno que intercepta todos os pisos, este espaço é todo limitado lateralmente por vidro e têm a particularidade de ao longo do dia com o movimento solar, iluminar directamente os diferentes espaços. Esta "conduta" não é tapada no topo, o que permite " ver chover dentro de casa".


A flexibilidade de posicionamento das paredes originam diferentes espaços

Alguns exemplos possiveis:



Cinema e TV ... quem te vê?! -- Nº4 sábado, abril 21 | By: Miguel Dores |


Duas semanas e quinze trabalhos depois cá está mais um artigo de cinema/televisão. Mesmo sem adesão ou participação, este artigo dá-me um gozo tremendo... Pegando na excelente ideia de mostrar ás pessoas exteriores á Universidade Moderna de Setúbal os nossos projectos e trabalhos, o artigo desta semana vai seguir essa onda ... Deste modo depois de escrever artigos sobre cinema, esta semana vamos ver onde é que o papel do arquitecto e do realizador se cruzam e de que modo se pode comparar uma maquete/projecto a um filme.




REALIZADOR VS ARQUITECTO
Princípio, meio e fim... são as três fases que um filme deve ter. Mas será esta a ordem que levará necessariamente um filme ao sucesso? Quando Jean-Luc Godard afirma que "claro que um filme pode ter principio, meio e fim, mas não necessariamente nesta ordem", através das suas palavras podemos perceber que para um filme funcionar como um todo tem de apresentar as três fases, mas não tendo uma ordem pré-estabelecida. Este facto leva-nos até outro aspecto o da continuidade... pois se por um lado o filme funciona pelo seu todo, o aspecto da continuidade pode ser discutível. Um filme é composto por momentos de mexem com as emoçoes do espectador e por cenas que alteram o rumo e essas mesmas emoções, assim funcionam como um corte ou uma mudança de sentido na história. Se estas cenas são necessárias e importantes, logo a questão da continuidade pode estar ligada á de previsibilidade.
Por outro lado na Arquitectura uma obra ou projecto também deve funcionar como um todo e marcar a sua presença pela perfeita e funcional junção dos espaços. Mas como na sétima arte, também na arquitectura a questão da continuidade pode ter as duas faces...negativa e positiva.

Se por um lado a continuidade ,verificada em obras como a Falling Water, entre a envolvente e o edificio revela-se importantíssima para o sucesso e reconhecimento como um íncon, por outro o edificio Ginger & Fred de Frank Gehry, através de um corte abrupto com o espaço citadino que o envolve, marca claramente a diferença.

Também como no cinema não podemos apreciar um edificio pela imagem exterior, nem o filme pelo seu prometedor inicio... Noutro patamar podemos comparar a fotografia de edificios que depois ao vivo nos surpreendem pela positiva ou pela negativa, aos cartazes de promoção da sétima arte.

Assim, este dois mundos estão em contacto mesmo que não seja essa o objectivo... Desta forma de que modo podemos estabelecer a ligação filme-edificio, ou seja, se podemos comparar um filme a uma obra arquitectónica ou vice versa. É deste modo que esta semana vos lanço o desafio de pegar num qualquer projecto vosso e compará-lo a uma obra cinematográfico... Dificil? Não me parece... senão vejamos...

Pegando no meu projecto da Galeria Subterrânea (1º exercício de projecto I) e pensado um pouco sobre ele chego á conclusão que ele só funciona se percerbemos a sua totalidade.. e nunca por apenas uma parte do mesmo. Ou seja, só faz sentido se percorrido desde a entrada á sua saída, sem desvios nem atalhos. Mas que filme poderá ser comparado? Bem, eu pensei no Efeito Borboleta...Porquê? Simples...esse filme resulta da soma das diferentes cenas ( que de inicio podem não fazer sentido), mas que no final funcionam plenamente. Também o facto de se apanharmos o filme a meio, ou tentarmos avançar cenas nos dará uma ideia errada e por vezes negativa da globalidade...Este aspecto é comparavél a parte que escrevi sobre os desvios e atalhos da minha galeria. Como veêm não custa mesmo nada... é só um projecto e um filme...nada demais. Ainda para mais é falarem de um projecto que é vosso e comparar esse mesmo projecto a uma obra de outra área do vosso interessa... não é? Então mãos ao trabalho.
A NÃO PERDER: Hoje Sábado dia 21 o tema da ARQUITECTURA SUSTENTÀVEL e da harmonia da natureza vai estar em destaque ás 22H no canal Odisseia. O título é "O FUTURO" e revela a chamada "arquitectura do desafio";
ZAPPING: HEROES, a série que nos EUA arrasta 14,3 milhões de espectadores chegou a TVI, aos Sábados ás 14H ( sim é mesmo a hora acessível...) com dois episódios seguidinhos. Os heróis andam aí...deixem-se salvar;
INIMIGO PÚBLICO: Bem se séries como NIP/TUCK e DR.HOUSE já davam tarde....que dizer das horas a que aparecem actualmente.... é de cortar os pulsos. Já a RTP1 brindou-nos com seis episódios de LOST e depois...pufffffff...não é que se perderam mesmo na grelha do canal. Já o PRISON BREAK muda de dia e hora, como quem muda de meias.... ohhhh Tv, assim....quem te vê?!

Concurso Espaços Habitáveis sexta-feira, abril 20 | By: ZReis |


Concurso Espaços Habitáveis do Arquitectura.ptArquitectura.pt promove o seu 1º Concurso de ideias para Arquitectura para o seu aniversário
O Arquitectura.pt inicia o mês de Abril com o nosso primeiro concurso.
Objectivo
É cada vez mais frequente nas nossas urbes a afluência de pessoas, o que nos leva a repensar o acolhimento e os modos de ocupar temporariamente as cidades.O repto que lançamos é uma reflexão critica sobre o modo como poderá o indivíduo apropriar-se temporalmente de um espaço.
Desta forma os participantes a concurso deverão submeter um volume máximo de 27m3 (vinte e sete metros cúbicos), com a intenção de criar um espaço para habitar temporariamente.
Os participantes deverão submeter as suas propostas em formato digital (num máximo de 5 ficheiros), onde deverá ser explicita toda a ideia subjacente à proposta de um espaço máximo de 27m3 (vinte e sete metros cúbicos) e mínimo de 10m3 (dez metros cúbicos). A proposta deverá contemplar de alguma forma o logótipo do Arquitectura.pt.
+ Info e regulamento

A cidade e a alcova quinta-feira, abril 19 | By: ZReis |

Marilice Costi diz:17/4/07 03:16

Quero registrar a minha alegria ao descobrir que meu artigo foi indicado. Só tomei conhecimento nesta data. Gostaria de saber como tiveram acesso ao A cidade e a alcova. E se existe algo que se possa compartilhar sobre as idéias que ele tenha podido suscitar.Forte abraço.

Marilice Costi
maricosti@terra.com.br
Porto Alegre/RS-BRASIL

Este comentário foi feito a um post da Prf. Patrícia, sobre textos de apoio ao tema "Cidade". que já se encontrava em arquivo de janeiro.

http://arqmoderna2005.blogspot.com/2007/01/textos-de-apoio-cidade.html

Como eles (anónimos) fazem... quinta-feira, abril 12 | By: ZReis |

Para quem não sabe, é assim que eles escrevem no ArqModerna2005



Abertura Oficial da Caça ao Aluno... quarta-feira, abril 11 | By: ZReis |

"Também a Universidade Moderna — igualmente afectada por uma grave crise, que se arrastou desde 1999 — oferece condições especiais para os alunos da Independente, que terão apenas de pagar 20 euros de inscrição, ficando isentos do pagamento da matrícula, habitualmente fixada em 203 euros."É uma questão de solidariedade que não vai mais além do que isso. Não é por motivos imputados aos alunos que esta situação aconteceu", disse à Lusa Vítor Silveira, secretário da Universidade Moderna.Confirmando a existência de "bastantes contactos" por alunos da Independente, o responsável não adiantou, no entanto, o número efectivo de pedidos de transferência que deram entrada na Moderna."

in Público

Que aproveitem e comprem tambem a biblioteca da Indepedente, o laboratório de materiais, alguns computadores e se possivel tragam também alguns doutores vocacionados para o ensino, Arquitectos armados em mestres já cá temos bastantes.

Boa PÁSCOA... quinta-feira, abril 5 | By: ZReis |





O ArqModerna2005 deseja a todos uma Páscoa á maneira...







PS: Este desejo não se aplica a todos, porque para o nosso amigo anónimo que pensa que é a Edite Estrela, o desejo é que as amêndoas tenham passado o prazo e tenha uma bela estadia na "casinha" fazendo apenas pausas curtas para fumar um cigarrinho...

PS1: Anónimo armado em Edite Estrela, se houver algum erro de Português neste post, por favor avisa...

Cinema e TV ... quem te vê?! -- Nº3 segunda-feira, abril 2 | By: Miguel Dores |

Depois de mais uma semana de aulas e trabalhos chegou o momento de passarmos ás férias (ou não). Pois é, vai ser no aconchego do nosso lar que vamos continuar a nossa odisseia universitária. Foi desta mesma permanência em casa que surgui o tema para este terceiro artigo... a casa. De que maneira o conceito de casa na arquitectura e no cinema se tocam ou se afastam? Pois é desta vez vamos saltar da tv para os ecrans da sétima arte com o artigo denominado.... LAR DOCE LAR.


Na minha opinião é na aplicação do conceito/elemento casa que arquitectura e o cinema se afastam e de certa forma entram em confronto. Como? Pois é...se verificarmos no dicionário, a palavra casa está definida como: "edificio para habitação; morada;lar;local de família (...)", ou seja local com a principal função de servir de abrigo a uma pessoa ou conjunto de pessoas. Com base nestes elementos que a ARQUITECTURA tem tentado que a casa seja sinónimo de bem estar e funcionalidade.

No entanto se lançar-mos um breve olhar pelo mundo da sétima arte, são inumeras as vezes em que o CINEMA se apodera do conceito casa e de certa forma o destrói. Filmes como a "Casa Maldita" de Robert Wise em 2001 ou o Português "Coisa Ruim" de Tiago Guedes e Frederico Serra em 2006 (primeira imagem da esquerda) revelam um outro lado do nosso lar-doce-lar. Desta maneira a sétima arte intensifica o lado obscuro e maléfico que podemos de alguma maneira encontrar numa habitação. Mas será que isso se verifica no ambiente vivido na casa ou na própria estrutura da mesma? O ambiente é claramente alterado de modo a encaixar-se perfeitamente num filme que em que deve-se temer o "objecto" casa e não criar afinidades como ela. Em "A casa de Vidro" de Daniel Sackheim em 2001, a casa que é usada no filme podia ser um exemplo de ARQUITECTURA moderna de um arquitecto comtemporaneo. Através dos seus materiais, das formas e mesmo da envolvente esta casa podia ser uma casa de sonho, mas o realizador "pega" nesses mesmos aspectos e juntamente com um argumento de um filme de suspense cria um ambiente em torno da casa muito pouco recomendável. De certeza que não era essa a intençao do arquitecto... mas afinal que afastou essa mesma habitação da sua função pacata de habitar? O cinema? O arquitecto? O olhar do público?

Em "13 Fantasmas" de Steve Beck em 2001, o material vidro, tal como em "A casa de vidro" volta ser veículo para o intensificar do horror e terror pretendido. O sìtio CinePlayers define assim a casa do filme: " Construída apenas em vidro e aço, a casa é uma maravilha da arquitectura moderna". Pois é...mas e do ponto de vista do realizador? Será esse o objectivo? Não me parece.....

Agora chega a parte interactivo em que voces que estão a ler escrevem a vossa opinião e mencionam um filme em que este tema esteja bem patente. O cinema destrói o conceito acolhedor da casa? Em que filme podemos constatar isso e de que maneira? Vamos lá não dói nada e é muito menos dispencioso que uma placa de K-line ( uma?!).
A NÃO PERDER:Se o filme já um dos mais vistos este ano em Portugal, "Diamante de Sangue" chega dia 5 ao canal História pelas 23h em forma de documentário - verdadeira história do tráfico de diamantes na década de 90 em Angola. Fora de portas, nada melhor que aproveitar os diversos filmes cómicos que invadiram os nossos cinemas nestas semanas. Toca a afastar o mau humor para começar as aulas em força...
ZAPPING:O canal 2: (agora Rtp 2) passa séries a horas acessiveis(22.40H) e de alguma qualidade como OSSOS (quarta feira), CASA SOMBRIA (casa, vem mesmo a propósito...segunda feira) ou SERVIÇO DE URGÊNCIAS (terça feira).
INIMIGO-PÚBLICO:Globos de Ouro deveriam destiguir os melhores de cada ano. Certo? Pois...até aos The Gift (Melhor grupo) e Coisa Ruim (Melhor Filme e actor) tudo normal, mas eis senão quando aparece categorias como melhor vilão e melhor beijo? melhor herói ou heroina? Isto é que é o melhor do panorama cultural...enfim menina "tv", assim.... quem a vê?!