<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36419265\x26blogName\x3dArq+Moderna+2005\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/\x26vt\x3d7485431128565000390', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Arq Moderna 2005
Blog da Turma 2005 de Arquitectura da Universidade Moderna de Setúbal

Comentários Recentes

Arquivo

    buy tramadol

Dez janelas para olhar o mundo segunda-feira, novembro 27 | By: patsp |

... que é como quem diz: o enunciado do trabalho teórico-crítico já se encontra disponível no lugar internético do costume. Amanhã estará no lugar analógico do costume.
















René Magritte: A condição humana, 1935
[retirado daqui]

os meus 5 minutos de jjjjjjjjaaaaaaaaaaaazzzzzzzzzz ( arquitectura e informática) | By: miniforce |

boas pessoal possivelmente este será o meu tema para os 5 minutos de jazzz... apesar de ser estudante de arquitectura axo k o desenhar á mão tem se vindo a substituir pelo desenhar informánico!!! obvio k a informática e as novas tecnologias ajudam bastante na arquitectura!! mas axo k o desenhar á mão n se deve perder pois a magia da mão n é nem pod ser substituida pela informática... agradecia o vosso apoio obrigado!!!

abraxos do vosso kolega andré

Os meus (ainda não) 5 minutos de jazz domingo, novembro 26 | By: patsp |

Caros amigos, colegas e professores.... os meus 5 minutos de jazz são sobre a "arquitectura e a vida"... estou meio/muito perdida. Ainda não sei bem por onde pegar. Pensei na arquitectura das maternidades mas não me convenceu. Depois pensei na arquitectura funerária e também não me encontrei nessa abordagem. Antes que o prof. Spencer me chumbe... :-( alguém tem alguma ideia brilhante?!


















Gustav Klimt: As 3 idades da mulher, 1905

Exposição "Espaços Abertos / Espaços Colectivos" sábado, novembro 25 | By: Sspencer |

Eu vou!...Aqui não há cheia que me pare. Até porque fica no Alto da Ajuda.

Exposição "Espaços Abertos / Espaços Colectivos"
Arquitecto Rogelio Salmona, prémio Alvar Aalto, 2003
Sala do Cubo, FAUTL
Organização da Embaixada da Colômbia e da Faculdade de Arquitectura-UTL

Diz que é uma espécie de arquitectura muito boa!

Clic! sexta-feira, novembro 24 | By: Sspencer |

Para quem aderiu ao tema fotografia e arquitectura sugiro o seguinte link em ArteCapital

Divirtam-se! | By: Sspencer |

Tomar a banhos | By: patsp |

Não sei se em Tomar vai estar frio em Janeiro ou não, o que sei - via Público - é que às 15.00 de hoje o "Rio Nabão começou a transbordar em Tomar"... Parece que foi acertada a opção de adiar passeio cultural/gastronómico! Bom fim de semana para todos.

Novamente os 5 minutos de Jazz... quinta-feira, novembro 23 | By: filipa |

meus caros amigos, professores e colegas. Assim como o Miguel referiu no post anterior tambem me encontro com serias dificuldades em encontrar um tema para o trabalho dos 5 minutos de jazz. Pensei no tema do Urbanismo, mais propriamente as cidades planeadas como Barcelona. Não sei se seria uma boa escolha, penso que a informaçao é muito vasta, mas apos ter visto mais propriamente ouvido os dois excelentes trabalhos do alvaro e do alberto acho que este tema nao tera um valor que se equipare as estes dois. Precisava de uma "luzinha"!Obrigado a todos

cinema / arquitectura - Os meus cinco minutos de jazz quarta-feira, novembro 22 | By: Miguel Dores |

O dia da minha apresentação está a chegar... mas até lanço aqui duas questões que são abordadas em textos que li...
1- Poderemos considerar o cinema um metodo de "voyeurismo do quotidiano"?
2-Em que filme(s) podemos afirmar que a arquitectura é o elemento principal ou muito importante?
Vamos lá..quero ver todos os meus colegas e caros docentes a puxar pela cabeça e memória e a deixar o seu testemunho...
Como pontapé de saida deixo o meu "comment"....
Em relaçao ao ponto 2 tenho como exemplo o filme "Metrópolis"(Frintz Lang, 1927). A cidade assume, neste filme, o principal papel e espelha de certa forma a mecanizaçao do quotidiano e da industrializaçao das cidades.... A "cidade" neste filme, não só assume o papel principal como tambem é o espelho da época em que se insere.
VAMOS LÁ...TODOS OS FASCINADOS PELA 7ª ARTE ( como eu) A CLICAR NO "COMMENT"....

Natureza - Textos de Apoio | By: patsp |

Mais uma ficha, mais uma viagem. Desta vez são três textos - sobre o tema "Natureza" - que estão disponíveis para a discussão da semana que vem. São eles um texto generalista sobre Land Art, outro sobre o Burle Marx e, finalmente, um do G. C. Argan sobre impressionismo e fotografia. Hoje já os encontram no 4shared, amanhã estarão no centro de cópias.









Lightning Field (Walter de Maria, 1971-77)
[Fonte]

Uma valente dor de barriga pra todos... terça-feira, novembro 21 | By: ZReis |


Epá!!! Cambada de Marretas é o que esta turma é... sabem quantas pessoas é que deram o nome para ir a Tomar no Sábado? sabem? sabem? saaaaaabem? 2 casais de pombinhos, 2 ou 3 professores e... e... eu! eu fiz mal a alguem? secalhar até fiz, para merecer tamanho castigo... snif... snif... Epá, pensem bem, aquilo é bué de giro, há rissois e croquetes, o sítio até nem é feio... eu sei que é puxadinho pro careiro, mas façam o choradinho aos vossos patrocionadores, digam que conta pra nota... e digo-vos mais, a quem não se esforçar para ir desejo uma valente dor de barriga... ah pois é.... juntem muitas "marias" e "nova gentes" e preparem-se para passar o sabado na "casinha"... bem feito...

Dica da Semana segunda-feira, novembro 20 | By: ZReis |

Comprei 2 caixas de lego, das peças mais pequenas, e posso vos garantir que para fazer estudos em 3D não há melhor...

Aqui fica um exemplo:

Língua Afiada 1 | By: ZReis |

Olá a todos, esta semana vou novamente começar pelo que vai mal, eu tento imaginar a quantidade de alunos que ao acabar o secundário, ponderam qual o curso e academia escolher, e falo especificamente naqueles que estudam artes, ora vejamos, no nosso distrito existem ainda algumas escolas com essa opção, lembro-me do Viso, Comercial, mais afastada a de St. André, e sei que ainda existem outras. Aceitando que possa estar errado, concluo que existem bastantes alunos que nessa hora da decisão ponderam a Nossa Academia para prosseguir os estudos, mas também acredito que nessa hora venha sempre o velhinho fantasma da ignorância a dizer que a Moderna não, vai antes pá Lusíada, pagar por pagar vai para uma instituição séria, a Moderna está sempre metida em escândalos, não vês televisão? Agora posto isto, e olhando para a turma do nosso 1º ano, que se não fosse os (bem-vindos) alunos que fizeram o exame para maiores de 23 anos, teríamos talvez uns 5 ou 6 alunos recém chegados do secundário, chego á conclusão que esse fantasma continua, infelizmente, de boa saúde...
Não estará já na hora de acabar com isso? Caros Visitantes (dirijo-me aos visitantes porque sei que os outros tem obrigação de saber), vamos a factos, a Universidade Moderna é propriedade da Dinensino, e foi precisamente a Dinensino que foi alvo do escândalo em 1999 que abanou toda uma estrutura que na altura contava com cerca de 10.000 alunos. Tudo isto contado por uma Moura Guedes qualquer ganhou mais impacto, e o erro aumentou drasticamente quando nos noticiários e manchetes de jornais, a palavra “Dinensino” era sistematicamente substituída por Universidade Moderna. Na altura nem pensava que estaria agora como aluno da Moderna, mas lembro-me perfeitamente, que nunca vi em nenhum meio de comunicação fazer a justa separação da Instituição da sua proprietária. E vou ainda mais longe, O polo de Setúbal tem um estrutura independente, á excepção da parte financeira, infelizmente o dinheiro que entra não serve quem merece, e vai para tapar buracos que outros fizeram, e esta é a única relação que o Polo de Setúbal tem com o tão famoso “Caso Moderna”, que em português antigo se poderia dizer “ que paga o Justo pelo pecador ”.
Continuando no mesmo assunto, mas pelo que vai bem; esta história tem outro lado, e perdoem-me o atrevimento da pergunta, mas será que outra Instituição como por exemplo uma Lusíada ou outra qualquer, a passar pelo mesmo, estaria ainda de portas abertas? Eu pessoalmente tenho as minhas dúvidas, porque reconheço que aguentar a injustiça de um julgamento não baseado não é fácil... mas a escola está de portas abertas ou não está? ... a explicação que encontro para isso são as pessoas “chave” que com uma força inacreditável, empurram a instituição para cima, que nos fazem acreditar que é possível, muitas vezes ou quase sempre contra tudo e contra todos.
Já devem ter percebido que defendo que o que vai mal deve ser dito, mas por coerência pessoal também defendo que o que vai bem também deve ser dito, e então deixem-me que vos diga que por vezes não damos valor ao que temos, mas eu argumento... para alguns, não temos o corpo Docente perfeito, mas o que eu vejo na esmagadora maioria, são professores apaixonados pelo que fazem, e nas condições que todos conhecemos. Todos nós nos podemos gabar de um ensino quase personalizado nas diferentes cadeiras que temos, apesar de eu não concordar com alguns métodos, tiro um saldo muito positivo do corpo docente que me acompanha neste 2º ano do curso. Confesso-me surpreendido...
E paralelamente ao leccionar de aulas, existem ainda professores que assumem outros cargos, uns oficiais, outros oficiosos, contribuem e muito para a nossa pequena comunidade, dando um exemplo poderia referir o ArqBlog da Professora Helena Pinto, ou então as crónicas e artigos sucessivos do professor Perry no jornal Modernices.
Meus amigos, defendo que tenhamos que pedir 1000 para levar 100, o que eu lamento é que apenas estejamos dispostos a dar 10...
Em modo de conclusão, deixo um conselho a quem pondera a Moderna de Setúbal, não acredite naquilo que aqui leu, vá mais longe, faça pesquisa, visite-nos na semana de portas abertas, oiça testemunhos e tire as suas dúvidas, e uma coisa é garantida, pode não vir a ser aluno da moderna mas vai com certeza vê-la de uma outra maneira...

---O CONTADOR DA SEMANA---

O QUE VAI MAL ---------45%
O QUE VAI BEM ---------55%

Nota: Gostaria de dar os parabéns ao colega Álvaro pelo excelente tema que escolheu nos 5 minutos de Jazz, e pela não menos excelente apresentação com que nos presenteou. Uma nota positiva também á Claudia, pela partilha de temas e opiniões nesta ultima semana.

Gonçalo Byrne - Geografias Vivas | By: patsp |









"Exposição baseada na participação de Gonçalo Byrne na VI Bienal Internacional de Arquitectura de São Paulo, em 2005, dedicada ao tema “Viver na Cidade, Arquitectura, Realidade e Utopia”. "
Inauguração dia 23 de Novembro de 2006, pelas 22.00h, na Galeria 4 do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém. + info

Artes em Partes domingo, novembro 19 | By: filipa |

O Artes em Partes situa-se num edifício de três pisos, do princípio do século passado, por onde estão distribuídos vários espaços com funções distintas, que vão desde um salão de chá, cabeleireiro, discos novos, discos usados, loja de roupa, sapatos e adereços, loja de jóias de autor, artigos lomográficos, loja de objectos e mobiliário vintage e três galerias de arte. Se quiserem dar uma olhadela ao espaço o site é www.artesempartes.com Não deixa de ser super interessante a forma como estes espaços arquitectónicos se coadunam entre si. Filipa

Conversas continuadas sábado, novembro 18 | By: Sspencer |


Na sequência de uma conversa com a Sara…

Claro que sociedade e arte estão interligadas, mas se a arte se pode relacionar com o contexto histórico e cultural, é também muitas vezes crítica quanto aos valores sociais sobre os quais opera. Em paralelo e tal como referido pelo teu colega Álvaro, é ver por exemplo o valor da Utopia na construção de vias alternativas.

Uma referencia de apoio para o teu trabalho sobre “moda” – Verifica a obra de Sónia Delauney, na forma como usa o conceito do “simultaneidade” , pois aplica os a sua arte através de vários meios e sobre vários suportes. A foto que se segue ilustra o modo como os vários artistas se influenciam, e podes ver os modelos vestidos com peças desenhadas pela Sónia Delauney (...não se vê bem os padrões), num fundo onde se podem observar as esculturas desenhadas por Robert Mallet-Stevens.


Salto à vara! | By: Sspencer |

Gostei. Espero que as próximas sessões de “Jazz” estejam ao nível.

Mais, acredito que os projectos das galerias “subterrâneas”, quando virem a luz do dia, ainda serão melhores!

Nota para os alunos do 1.º ano sexta-feira, novembro 17 | By: patsp |

Desculpem-me os caros veteranos por este abuso que me faz dirigir, nestas páginas, aos caloiros (!!) mas é uma tentativa de colmatar um esquecimento meu. Como podem ler aqui e aqui, está a ser organizada uma visita a Tomar. A desculpa é uma ida ao teatro mas também estão previstas outras actividades gastronómico-arquitectónicas. O dia da dita viagem é o sábado 25 de Novembro e, caso estejam interessados, informem-me rapidamente (email, comentário...) para podermos contar convosco na organização do portentoso evento.

Quotidiano - Textos de apoio | By: patsp |

Caríssimos, os textos relativos ao tema “Quotidiano” já estão disponíveis, quer no centro de cópias, quer no 4shared. São eles:
- “Divagações circenses” de Vanda Gorjão;
- “O infindável quotidiano como jogo” de Yuji Yoshimura e
- “A barriga da osga” [Palomar] de Italo Calvino.
Penso que estão cada vez mais aceitáveis em termos de qualidade. Isto vai devagar mas vai seguro! (Tão depressa quanto me seja possível actualizarei o texto do Michel Foucault, falta-lhe uma folha.)
A discussão destes textos está marcada para dia 23 de Novembro. A aula de 21 será dedicada à apresentação/discussão de imagens sobre o tema.
Boas leituras e bom fim de semana!

Só-pró-ku | By: ZReis |

Das aulas, dos programas e da crítica quarta-feira, novembro 15 | By: patsp |

(Explicação de ordem geográfica: Porque 1) a resposta que dou se refere a um post extenso que abaixo se publicou e do qual sou alvo primeiro e 2) a minha resposta é igualmente extensa – algumas vezes é inevitável! – e merece visibilidade idêntica à da crítica, pareceu-me aceitável colocá-la como post e não como comentário.)
Não, não andava sem Internet ou distraída. Pensei que, e pela ordem natural das coisas pessoais/profissionais, o primeiro sítio onde as críticas que a mim são dirigidas deveriam ser abordadas seria a nossa sala de aula. Assim foi. Ontem a conversa pôs-se em dia e os esclarecimentos – de parte a parte – foram partilhados e gosto de pensar que os equívocos dissolveram-se e o ambiente voltou ao que queremos que seja: de respeito pela diversidade, de diálogo, de discussão e de elevação intelectual.
Também não decidi deixar aqui o meu comentário para relatar ou voltar às explicações de ontem. Os diálogos são acontecimentos irrepetíveis (acrescentaria eu: felizmente). Também não é para que os ausentes se actualizem. Quem não está, estivesse. Mas sendo este um lugar público e tendo, inclusivamente, chamado a atenção de – bem-vindos – outros, alguns assuntos importantes aqui abordados merecem a minha atenção. São eles:
1) As instituições têm falhas de comunicação interna, que não são infalíveis já sabemos. Por isso a importância de nunca menosprezar a passagem de informação entre pares, por muito insignificante que pareça;
2) Sobre pagamentos de serviços e outros assuntos próximos. Reforço o que já foi dito aqui por outro colaborador deste blog: estamos aqui para trabalhar a sério e não esperem falta de rigor lá porque o ensino é privado. Faz-se, está-se, trabalha-se, desenvolvem-se capacidades, crescemos e ajudamos a que cresçam os que estão à nossa volta... sobre isto é que se avaliam os alunos num final de semestre. Nada mais, nada menos;
3) Quem me conhece e comigo divide o espaço bissemanal das aulas sabe o que são as minhas teoria e praxis como docente: as aulas são acontecimentos divididos na responsabilidade de trabalhar, na liberdade de pensar e transmitir aos outros o que se pensa, na maturidade de aceitar contra-propostas e saber mudar de ideias se isso se justificar. Coloco-me ao nível dos alunos nesta equipa de trabalho que formamos. Não me perco mais a qualificar o que se passa nas minhas aulas porque quem está nelas presente sabe de que falo. Quem não está, e sem ironia, está convidado a aparecer e participar nas nossas discussões. O tal programa da tal disciplina – só aparentemente – polémico foi sujeito a esta mesma lei: “o que vos parece, caríssimos?” e o que pareceu ao colectivo na altura da discussão: “muito bem, aceitamos o desafio, venha ele!”. Aqui confesso-me: posição esta que me encheu de orgulho, por saber que o caminho escolhido não é o mais fácil mas que a confiança que estes meus alunos têm em mim e neles próprios lhes dá vontade de arriscar;
4) Termino falando da(s) responsabilidade(s). Sabem os que me conhecem que peço – com muita veemência – que sejam responsáveis perante o nosso colectivo. Por isso não ter acontecido surgiu a nuvem que pairou por cima da semana das praxes. Por isso ter vindo ao de cima também se dissolveu a dita nuvem. A prática de uma crítica responsável é, em última análise, o que aspiro a que desenvolvamos nas aulas. Isto desenvolve-se agindo, estando e discutindo, ouvindo e parando para pensar no que se ouve. A responsabilidade é acção. Não é notícia de jornal, não se compra em diferido.

Fecho, da minha parte, esta falsa polémica. O que se constrói de equívocos não é polémico, é disfunção comunicacional. Lá (no anfiteatro 1) como cá continuo a trabalhar por estas coisas que acredito e disponível (SEMPRE!) para ser mais um lado no diálogo que nos faz estarmos vivos.

terça-feira, novembro 14 | By: Cláudia |

Arte

Vi e gostei, acho que está muito bem feita esta montagem de obras de arte.Espero que gostem.

Para desanuviar vamos falar de assuntos sérios! | By: Sspencer |

Idas a Tomar. Já falei para central de reservas e embora não deva haver dificuldade em reservar bilhetes convinha que na próxima 6ª feira já houvesse uma ideia do número de pessoas que está interessado em ir para efectuar a marcação na semana seguinte.
Preparem um par de sapatos confortável, pois durante a peça vão caminhar muito! Aconselho o modelo da foto.




Blog Cultural | By: Sspencer |

















Ainda há quem se queixe que este Blog está a ficar muito cultural?

Supremo declara-se domingo, novembro 12 | By: ZReis |

Supremo declara inconstitucional sistema de admissão na OA.

O Supremo Tribunal Administrativo do Porto deu razão aos alunos e à Universidade Fernando Pessoa e declarou inconstitucional o sistema de admissão na Ordem dos Arquitectos, anunciou hoje a Associação Portuguesa de Estudantes e Licenciados em Arquitectura. (mais)

Língua Afiada 0 sábado, novembro 11 | By: ZReis |

Olá a todos, camaradas, amigos e palhaços ( esta parte dos palhaços eu já explico ), aproveitando o nosso querido blog e fazendo força para que isto não se torne só num painel cultural, achei por bem criar um tipo de crónica semanal, o que vai bem, o que vai mal, enfim, tudo o que achar que deva ser contado e recontado, mas é claro que tamanha oferta teria que ter um senão, a minha língua afiada e o meu atrevimento, agarrem se bem...
Esta semana vou começar pelo que vai mal, sabendo eu por fonte segura que a direcção da instituição foi informada oficialmente pela associação de estudantes, das datas e actividades da semana de recepção ao caloiro, por que carga de água é que um professor se dirigiu a um pequeno grupo de alunos do 2º ano e se insurgiu de forma não muito correcta, ou diria mesmo com alguma falta de respeito, pelo simples motivo de nós 2º ano, não termos avisado o professor que não iríamos á aula. Querem ver que eu agora tenho de avisar quando vou faltar?... Eh Eh Eh, deixem-me rir um bocadinho... Mas voltando ao assunto, este episódio deixou-me dúvidas, os professores não reúnem periodicamente para planear aulas? Não houve sempre uma semana de recepção ao caloiro? Se o professor não tiver alunos para dar aula não é remunerado?( ... bem, neste ponto ouvi dizer que mesmo com alunos a coisa não é famosa, mas isso são lutas pra outros guerreiros...) Agora ao contrário as coisas não são bem assim, ou pelo menos não deveriam, os 2700€ que pago anualmente é que me deveriam dar direito a que professores se justificassem pelas faltas que dão... Afinal de contas fornecem o produto que comprei... mas pronto, depois tem sempre a autoridade para marcar aulas nos dias e horas que lhes dão jeito e se o aluno não puder, paciência... sim, aconteceu-me no ano passado...
Mas continuando no que vai mal... Caros colegas? Alguém já parou para pensar no que está escrito no 1º parágrafo do programa da cadeira de HTA2:

“Considerando que não fazia sentido, e resultante das alterações estruturais da licenciatura, voltar a tratar no âmbito desta disciplina o que no anterior ano foi tratado em Teoria e Historia da Arquitectura 1, considerou-se puder fazer um ano diferente e colocasse um conjunto de temas contemporâneos á discussão.”

Então mas... Isto é assim? Quer dizer, segundo eu percebi, este ano com Bolonha deveria estar a levar com matéria que já dei o ano passado, mas como não faz sentido arranja-se uma maneira engenhosa de arranjar um conteúdo á pressão para tapar o buraco, é isso? Qual seria a outra opção? Dar o programa repetido do ano passado? Na prática é como pagar a cadeira 2 vezes não é? Acho que se anda a brincar com coisas sérias, se entrar em Bolonha implica a alteração de estrutura, e se dessa alteração implica não ter programa para o 2 ano, então só posso concluir que o correcto seria tirar a cadeira este ano e devolver as propinas correspondentes a essa cadeira. Colegas... ainda outra pergunta... então e se não conseguir passar a esta cadeira? È justo? Então e se a fizer pró ano? É com o programa que já dei no 1º ano? Sim porque pró ano o programa que demos no nosso 1º ano será o programa oficial do 2º.... então mas eu já passei... Pensem nisto...
Passo então para a parte do que não vai bem nem vai mal, resultante desta complicada solução para o programa de THA2, o que vos parece as novas aulas?...
No que toca a mim não me convenceu, acho pesadas de mais, levar discussões para uma aula é um risco, risco de não se conseguir tomar o pulso da coisa... quando as aulas terminam fico com a sensação de que já poderia estar a almoçar á 2 horas... bem tento entrar no debate mas chego a uma altura em que já nem me lembro do inicio do debate ou, se estou no mesmo debate... e eu que pensava que com Bolonha, o programa do curso mudava para a vertente mais prática da profissão, uma maior preparação dos alunos para o mundo do trabalho, em vez disso somos massacrados com exigentes trabalhos escritos que no fim de contas não nos vão valer de nada... pois... pois... agora vão me dizer que ficamos mais cultos, que somos da elite, tretas, tretas, tretas... mas enfim, isso é como tudo, eu também não gosto de pagar portagens e tenho de as pagar, eu também não gosto de certas cadeiras, mas para ser um Arquitecto tenho das gramar.... eu cá estarei...
Finalmente o que vai bem, o bom fica sempre pró fim, não é assim?, é com enorme pena que nos despedimos de mais uma semana de praxes, para mim resumia tudo a poucas palavras, Jantar, Amigos,Tuna, Alegria, Sangria, Ressaca e Fantástico.
E como sou uma pessoa muito optimista, tiro sempre uma coisa boa de tudo, foi pena as praxes não terem corrido tão bem, mas meus amigos, se a vossa base de comparação são os alunos que foram praxados no ano passado, o resultado só poderia dar nisso, turma como a de 2005 não há... Sem dúvida nenhuma a melhor da nossa escola, uns verdadeiros palhaços (lembram-se da introdução) sim, porque aos olhos de alguns iluminados bem próximos de nós, quem gosta das praxes é palhaço, e quem usa traje, está fardado, e esta semana é um circo... pois eu só tenho a dizer que sou um grande palhaço e que na 5ª á noite até com o nariz vermelho fiquei, e VIVAM AS PRAXES, A TUNA E A UNIVERSIDADE MODERNA ( de Setúbal é claro... )

E para finalizar.....

--- O CONTADOR DA SEMANA---

O QUE VAI MAL ----------------------------- 15%
O QUE NÂO VAI MAL NEM BEM ------------ 5%
O QUE VAI BEM ----------------------------- 80%

O quotidiano à lupa ou o olhar lento de Viola sexta-feira, novembro 10 | By: patsp |

Deixo-vos aqui um apontamento sobre um dos temas que se seguirão nas nossas aulas. Os olhares que artes e artistas deitaram ao correr comum dos dias serão impossíveis de listar. Para lá dos que nos irão visitar na sala, aqui fica um pedaço da obra vídeo de Bill Viola (1951-), um dos pioneiros da vídeo-arte.
Migration (1976), cor, som mono.

Textos de apoio: “Edifícios-cuerpos” | By: patsp |

O texto de que falava o professor Sérgio Spencer (lá em baixo) está, a partir de hoje, disponível – no sítio do costume – para quem o queira ler. Foi criada uma pasta específica para os textos complemento/extra-programa, e é lá que o podem encontrar. Obrigada, Sérgio, pela disponibilização do material!

Visita + Teatro em Tomar | By: Sspencer |

Caríssimos

A avaliar pela frequência nas aulas hoje, imagino que a noite tenha sido dura! Após recuperarem da ressaca, aqui fica um desafio.
Está em preparação uma viagem/visita à cidade de Tomar + ida ao teatro, peça "T de Lempika" do grupo Fatias de Cá.
Para não cair demasiado em cima do Natal nem dos feriados de 1 e 8, e de acordo com a intenção manifestada pelos colegas hoje presentes na sala, proponho o sábado dia 25 de Novembro .
Ainda não verifiquei a disponibilidade de bilhetes, mas ficam sabendo que o preço é de 28 aérios. Incluí o jantar.
Para não termos de ir a pé, solicita-se aos proprietários de carros de luxo de preferência com GPS, Ar-con, Hi-Fi e DVDs, que disponibilizem os seus veículos à plebe.
Ao longo da próxima semana falamos melhor sobre o assunto.

Saudações académicas!

Novo Espectáculo d'O Bando - Morcegos segunda-feira, novembro 6 | By: patsp |

"Dia 16 estreamos MORCEGOS, um espectáculo Teatral, mas que também é um Concerto – pois a música tem uma importância elementar – e que nos sugere uma reflexão sobre a interdependência, mas uma reflexão que não procura ser moralista, nem tão pouco altruísta. Através do texto de Jaime Rocha, encenação de João Brites, concepção cénica de Rui Francisco e figurinos de Clara Bento, os Morcegos sugerem a aproximação de dois mundos aparentemente inconciliáveis, cada um representado por casais de rotinas, culturas e idades diferentes que, devido a um insólito acontecimento, se aproximam...
Os actores que dão a vida aos personagens são Horácio Manuel, Bibi Gomes, Ana Brandão, Nicolas Brites e o músico Pedro Calado, a oralidade está a cargo da Teresa Lima e a música que marca o ritmo de toda a acção é da autoria de Rui Júnior."
+info

Silver Clouds domingo, novembro 5 | By: Cláudia |

Silver Clouds

De passagem pelo You Tube encontrei este video de uma das obras que temos de colocar na galeria subterranea, achei interessante colocá-lo no blog para todos terem noção do tipo de obra. Silver Clouds são 'almofadas' prateadas com 39cmx59cm cada, umas cheias com hélio e outras com ar.

Mais alguns minutos de Jazz sexta-feira, novembro 3 | By: Sspencer |

Juntei mais um texto no directorio de textos de apoio aos 5 minutos de Jazz.
É um texto de Paul Virilio - "The Overexposed City" e é um ensaio sobre a nova condição das cidades, a alteração das suas fronteiras, fisicas e virtuais, e sobre a questão da implementação dos sistemas de vigilancia e segurança. Uma verdadeira sociedade de control!
Tem um senão para alguns, está em Inglês.

PS. Zé Maria, estás trasformado num Avatar...um aluno virtual?

5 minutos de Jazz - Textos | By: ZReis |

...enquanto pesquizava na net para o meu tema (Culinária), encontrei de tudo menos do que precisava, e como acordei generoso deixo-vos alguns textos interessantes:

Cinema
- Apontamentos sobre a relação entre cinema e cidade
- Arquitetura como agente fílmico
- Hotel de um milhão de dólares
- Meu tio era um Blade Runner: ascensão e queda da arquitetura moderna no cinema

Fotografia
- Cidades fantasmas
- Fotografia e a periferia
- Fotografia de Maxe Fisher

Festival Número-Projecta '06 quinta-feira, novembro 2 | By: patsp |

O Festival Internacional de Artes Multimédia, Cinema e Música começa hoje e terminará a 12 de Novembro. Cinema São Jorge, Lisboa.

"Da programação destacam-se actuações de alguns dos mais importantes DJ’s e VJ’s nacionais e internacionais, live-acts de nomes de culto da música electrónica portuguesa e mundial, filmes-concertos e espectáculos multimédia, mostra de vídeo-arte e ciclos de cinema de vanguarda, com especial destaque para a indústria britânica. De registar ainda os habituais workshops, o serviço educativo dirigido às escolas do 1º e 2º ciclo e a cerimónia de entrega dos 3ºs Prémios Portugueses Multimédia no dia 10 de Novembro. No total, mais de 120h de programação!" +info

Blog analógico | By: A. Pereira |

Malta, já está em funcionamento o blog\ jornal de parede na sala do 2ºano de arquitectura organizado e calibrado em diferentes secções. Aceitam-se sugestões de melhoramento.
Funciona um pouco como este blog, "feel free to post or comment".

[documentos de apoio] quarta-feira, novembro 1 | By: patsp |

Recebi reclamações. E muito justas. Parece-me que, desta vez, já se podem descarregar os textos de apoio ao tema "Corpo e Arte" sem angústias. Se assim não for, neste estabelecimento existe livro de reclamações!

O Corpo na Arquitectura | By: Sspencer |





















Vou meter a "foice em seara alheia".

Uma pequena nota bibliográfica para a vossa discussão sobre Corpo e Arte.
Sugiro um pequenissimo livro de Juan Antonio Ramirez - "Edificios-cuerpo".
Cá vai a capa e o resumo/abstract:

Las relaciones entre el cuerpo y la arquitectura han sido siempre estrechas y complejas. El tratadista romano Vitruvio habló de ello, y muchas de sus ideas fueron luego cristianizadas mediante la identificación simbólica de las iglesias con el «cuerpo de Cristo». La antropomorfización antigua de los soportes (las columnas, que eran «masculinas» o («femeninas») abrió la via para una diferenciación sexual de la arquitectura. En Edificios-cuerpo se habla de todo ello, se introducen numerosas apreciaciones novedosas y se examinan de modo especial esculturas habitables con formas humanizadas, bien sean proyectadas, construidas o imaginadas. Se consideran, pues, las aportaciones de arquitectos y artistas como Caramuel, Ledoux, Le Corbusier, Wright, Dalí, Charney, Finsterlin, Masson, Matta, Bruno Taut o Kiesler, sin olvidar el trabajo de creadores más recientes como Ernesto Neto.
Ps - Aos eventuais interessados, talvez se arranje uma cópia...