<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d36419265\x26blogName\x3dArq+Moderna+2005\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://arqmoderna2005.blogspot.com/\x26vt\x3d7485431128565000390', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Arq Moderna 2005
Blog da Turma 2005 de Arquitectura da Universidade Moderna de Setúbal

Para nós MULHERES


Para nós MULHERES uma flor de delicadeza comparada à nossa. Hoje é simplesmente mais um dos nossos dias, mais um dia de mulher como o de ontem, como o de amanha, como tantos que ainda virão. Mas hoje talvez nos possamos sentir orgulhosas, orgulhosas de termos um dia com o nosso nome: MULHER. E é para todas as mulheres que conheço e que não conheço, que gosto e que não gosto,para a única que realmente amo, a minha Mãe, e para todos os Homens que compreendem as mulheres e que, por vezes, sabem ser um pouco mulheres ao porem-se do nosso lado,que dedico este post.Para todas nós um poema de Florbela Espanca:


EU...
Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por quê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca, Livraria Martins Fontes Editora, 1996 - S.Paulo, Brasil